Blog do Grupo de Teatro Cemitério de Automóveis
     
Histórico
28/06/2009 a 04/07/2009
14/09/2008 a 20/09/2008
03/08/2008 a 09/08/2008
27/07/2008 a 02/08/2008
20/07/2008 a 26/07/2008
13/07/2008 a 19/07/2008
06/07/2008 a 12/07/2008
22/06/2008 a 28/06/2008
25/05/2008 a 31/05/2008
09/12/2007 a 15/12/2007
11/11/2007 a 17/11/2007
04/11/2007 a 10/11/2007
29/04/2007 a 05/05/2007
22/04/2007 a 28/04/2007
15/04/2007 a 21/04/2007
08/04/2007 a 14/04/2007
01/04/2007 a 07/04/2007
25/03/2007 a 31/03/2007
18/03/2007 a 24/03/2007
11/03/2007 a 17/03/2007
04/03/2007 a 10/03/2007
18/02/2007 a 24/02/2007
11/02/2007 a 17/02/2007
21/01/2007 a 27/01/2007
10/12/2006 a 16/12/2006
03/12/2006 a 09/12/2006
26/11/2006 a 02/12/2006
19/11/2006 a 25/11/2006
12/11/2006 a 18/11/2006
05/11/2006 a 11/11/2006
29/10/2006 a 04/11/2006
22/10/2006 a 28/10/2006
15/10/2006 a 21/10/2006
08/10/2006 a 14/10/2006
10/09/2006 a 16/09/2006
06/08/2006 a 12/08/2006
02/07/2006 a 08/07/2006
25/06/2006 a 01/07/2006
18/06/2006 a 24/06/2006
11/06/2006 a 17/06/2006
04/06/2006 a 10/06/2006
28/05/2006 a 03/06/2006
21/05/2006 a 27/05/2006
14/05/2006 a 20/05/2006
07/05/2006 a 13/05/2006
30/04/2006 a 06/05/2006
23/04/2006 a 29/04/2006
16/04/2006 a 22/04/2006
09/04/2006 a 15/04/2006
02/04/2006 a 08/04/2006
26/03/2006 a 01/04/2006
19/03/2006 a 25/03/2006
12/03/2006 a 18/03/2006
05/03/2006 a 11/03/2006
19/02/2006 a 25/02/2006
12/02/2006 a 18/02/2006
29/01/2006 a 04/02/2006
25/12/2005 a 31/12/2005
18/12/2005 a 24/12/2005
11/12/2005 a 17/12/2005
04/12/2005 a 10/12/2005
06/11/2005 a 12/11/2005
30/10/2005 a 05/11/2005
23/10/2005 a 29/10/2005
25/09/2005 a 01/10/2005
18/09/2005 a 24/09/2005
11/09/2005 a 17/09/2005
04/09/2005 a 10/09/2005
28/08/2005 a 03/09/2005
21/08/2005 a 27/08/2005
07/08/2005 a 13/08/2005
31/07/2005 a 06/08/2005
24/07/2005 a 30/07/2005
17/07/2005 a 23/07/2005
10/07/2005 a 16/07/2005
03/07/2005 a 09/07/2005
26/06/2005 a 02/07/2005
19/06/2005 a 25/06/2005
12/06/2005 a 18/06/2005
29/05/2005 a 04/06/2005
22/05/2005 a 28/05/2005
15/05/2005 a 21/05/2005
08/05/2005 a 14/05/2005
01/05/2005 a 07/05/2005
24/04/2005 a 30/04/2005
17/04/2005 a 23/04/2005
10/04/2005 a 16/04/2005
03/04/2005 a 09/04/2005
27/03/2005 a 02/04/2005
20/03/2005 a 26/03/2005
13/03/2005 a 19/03/2005
06/03/2005 a 12/03/2005
27/02/2005 a 05/03/2005
20/02/2005 a 26/02/2005
13/02/2005 a 19/02/2005
06/02/2005 a 12/02/2005
30/01/2005 a 05/02/2005
23/01/2005 a 29/01/2005
16/01/2005 a 22/01/2005
09/01/2005 a 15/01/2005
02/01/2005 a 08/01/2005
26/12/2004 a 01/01/2005
19/12/2004 a 25/12/2004
12/12/2004 a 18/12/2004
05/12/2004 a 11/12/2004
28/11/2004 a 04/12/2004
21/11/2004 a 27/11/2004
14/11/2004 a 20/11/2004
07/11/2004 a 13/11/2004
31/10/2004 a 06/11/2004
24/10/2004 a 30/10/2004
17/10/2004 a 23/10/2004
10/10/2004 a 16/10/2004
26/09/2004 a 02/10/2004
12/09/2004 a 18/09/2004
05/09/2004 a 11/09/2004
29/08/2004 a 04/09/2004
01/08/2004 a 07/08/2004
25/07/2004 a 31/07/2004
27/06/2004 a 03/07/2004
13/06/2004 a 19/06/2004
06/06/2004 a 12/06/2004
30/05/2004 a 05/06/2004
23/05/2004 a 29/05/2004
16/05/2004 a 22/05/2004
09/05/2004 a 15/05/2004
02/05/2004 a 08/05/2004
25/04/2004 a 01/05/2004
11/04/2004 a 17/04/2004
04/04/2004 a 10/04/2004
28/03/2004 a 03/04/2004
21/03/2004 a 27/03/2004
14/03/2004 a 20/03/2004
07/03/2004 a 13/03/2004
Outros sites
Cemitério em Cenas
Mário Bortolotto
Fernanda D´Umbra
Marcelo Montenegro
Bactéria
Marcello Amalfi
Paulinho Pankada
Marisa Lobo Viana
Teatro dos Satyros
Parlapatões
G7
Grupo Folias
Armazem
Sutil Companhia de Teatro
Mauro Mello
Sebastião Millaré
Sam Shepard
Eric Bogosian
David Mamet
Jim Jarmusch


O que é isto?
 


HOMENS, SANTOS E DESERTORES - ÚLTIMOS DIAS

Na próxima semana acontecem as duas últimas apresentações da peça "Homens, Santos e Desertores" no Teatro do Centro da Terra.

Teatro do Centro da Terra

Rua Piracuama, 19 - Sumaré

Metrô Sumaré

(Pra quem for pela Alfonso Bovero é só entrar a direita na Apinagés - A primeira já é a Piracuama)

Tel : 3675-1595

21h30

Quintas e Sextas.

R$ 15

 



 Escrito por Cemitério de Automóveis às 13h47
[] [envie esta mensagem]




HOMENS, SANTOS E DESERTORES - HOJE

Teatro do Centro da Terra

Rua Piracuama, 19 - Sumaré

Metrô Sumaré

(Pra quem for pela Alfonso Bovero é só entrar a direita na Apinagés - A primeira já é a Piracuama)

Tel : 3675-1595

21h30

Quintas e Sextas.

R$ 15

Apenas durante o mês de Abril



 Escrito por Cemitério de Automóveis às 12h53
[] [envie esta mensagem]




HOMENS, SANTOS E DESERTORES - NO FERIADO

Hoje (quinta-feira - dia 21) a gente prossegue normalmente com a temporada do espetáculo "Homens, Santos e Desertores", apesar do feriado. É que não costumamos ter feriado. Nosso dia de folga é a segunda-feira (nem sempre) que é quando a gente se reúne pra bater um futebol na Rua Rocha. Na última segunda-feira até o Super 15 apareceu pra jogar. Foi divertido gritar: "Joga pro Super 15 na corrida". Só falta o Eduardo Estrela aparecer e a gente vai ganhar um jogo de camisas da Telefônica. Maneiro. Então voltando ao assunto desse post, hoje tem espetáculo normalmente.

Teatro do Centro da Terra

Rua Piracuama, 19 - Sumaré

Metrô Sumaré

(Pra quem for pela Alfonso Bovero é só entrar a direita na Apinagés - A primeira já é a Piracuama)

Tel : 3675-1595

21h30

Quintas e Sextas.

R$ 15

Apenas durante o mês de Abril



 Escrito por Cemitério de Automóveis às 15h44
[] [envie esta mensagem]




HOMENS, SANTOS E DESERTORES - NO FERIADO

Amanhã (quinta-feira - dia 21) a gente prossegue normalmente com a temporada do espetáculo "Homens, Santos e Desertores", apesar do feriado. É que não costumamos ter feriado. Nosso dia de folga é a segunda-feira (nem sempre) que é quando a gente se reúne pra bater um futebol na Rua Rocha. Na última segunda-feira até o Super 15 apareceu pra jogar. Foi divertido gritar: "Joga pro Super 15 na corrida". Só falta o Eduardo Estrela aparecer e a gente vai ganhar um jogo de camisas da Telefônica. Maneiro. Então voltando ao assunto desse post, amanhã tem espetáculo normalmente.

Teatro do Centro da Terra

Rua Piracuama, 19 - Sumaré

Metrô Sumaré

(Pra quem for pela Alfonso Bovero é só entrar a direita na Apinagés - A primeira já é a Piracuama)

Tel : 3675-1595

21h30

Quintas e Sextas.

Apenas durante o mês de Abril



 Escrito por Cemitério de Automóveis às 16h07
[] [envie esta mensagem]




O grande escritor Tadeu Sarmento esteve no Teatro do Centro da Terra na última sexta assistindo o nosso espetáculo "Homens, Santos e Desertores" e escreveu um texto sobre a peça e postou no seu blog. Transcrevo o que ele escreveu aqui. Fico orgulhoso de ter um espectador do naipe dele. Valeu, Tadeu.

ALGUNS NEM TÃO DESERTORES

“Homens, Santos e Desertores”, peça que está em cartaz no Teatro Centro da Terra, localizado na rua Piracuama, número 19, próximo à estação de metrô Sumaré, seria apenas mais uma das inúmeras peças encenadas pelo grupo Cemitério de Automóveis, não fosse por um pequeno detalhe. Com texto de Mário Bortolotto, direção de Fernanda D’Umbra, e atuação de Gabriel Pinheiro e Mário Bortolotto, “Homens, Santos e Desertores” não é Teatro, mas Cinema. Mas como, algum primeiro leitor desavisado perguntará, afinal de contas, Mário Bortolotto, um dos maiores dramaturgos do nosso país, é um homem de Teatro, há mais de vinte anos. Explico: cientificamente, a peça é um filme! Cientificamente! E quando digo cientificamente estou me referindo à definição de que o Cinema é uma Ciência, e uma Ciência que produz a ilusão falsa do movimento através da impressão de Luz e Som no fotograma. Mas o Cinema originou-se no Teatro, mais especificamente no Teatro de Sombras Chinês, dirá um segundo leitor obviamente mais culto do que eu e mais pé no saco ainda. A ele responderei o seguinte: então me desculpe, eu me corrijo, “Homens, Santos e Desertores” é uma peça de Teatro. Mais aí um terceiro leitor pode ser introduzido no texto, afinal, gosto de escrever textos polifônicos, com a seguinte pergunta: mas Tadeu de Melo Sarmento, você não estaria querendo dizer que a peça que você assistiu ontem é na verdade, uma mistura das duas artes, Teatro e Cinema?

É, talvez eu esteja querendo dizer isto!

Um garoto com problemas familiares e de aceitação social, e um velho ex-seminarista amargo e desiludido se encontram no palco. Não há explicação posterior de como os dois se conheceram antes, eles simplesmente “acontecem” juntos quando as luzes se acendem, como se sempre houvessem estado lá. O cenário, composto por objetos triviais como livros, mesa, cadeiras, fogão, latas de café e chaleira para esquentar água, acontece junto também, reforçando a idéia de que sempre esteve lá, coexistindo com os protagonistas, como se não existisse nada além da circunscrição específica daquele ambiente onde os olhos do espectador rapidamente se acostumam a olhar com familiaridade depois de ajustados à variação das luzes que pincelam a cena. Isto, é sobre as luzes que quero falar, mas antes quero dizer como todos os objetos em cena interagem com a narrativa, como parecem compor juntos cada ação das personagens; seja a mesa onde o garoto batuca com os dedos incomodado e tímido diante da presença esmagadora do velho ex-seminarista, seja a cadeira onde este se senta para folhear um livro enquanto o garoto enche seus ouvidos com lamentações existenciais das mais diversas, seja o próprio livro folheado, ou a chaleira com água fervendo no fogão corroborando com seu chiado para o clima tenso de todo o diálogo, enfim, tudo em cena parece pontuar a solidão, a angústia, a urgência e o desespero daquelas duas ilhas isoladas tentando em vão se comunicar. Bonito não? Ilhas isoladas! E as luzes? Ah, sim, as luzes!

A iluminação é essencial na peça, é ela quem recorta cena por cena, diálogo por diálogo, exatamente como uma película montada numa moviola. As luzes se apagam, e quando se acendem, há um outro diálogo, uma nova cena, num outro tempo. Mas todos os objetos permanecem no palco como na cena anterior, dando a impressão de um presente contínuo ou, como no Cinema, de uma movimentação ilusória. Sabemos que o tempo é outro por causa do discurso das personagens. O discurso muda, desenvolve-se, evolui para uma exasperação que atinge seu violento paroxismo no final. O restante da composição permanece fixa, imutável, indiferente. Esta montagem constrói lapsos de tempo como se seguisse a lógica de um sonho, uma espécie de fantasmagoria sem passado fixo, mas construído por uma sucessão fluída de momentos presentes, constantes.

E as duas personagens “acontecem” neste ritmo alucinatório e induzido para mover-se sem alterações no ambiente. O mais jovem quer falar, quer expor seus problemas, tem sede de conhecimento e de comunicação. O mais velho prefere o silêncio, a indiferença, não tem mais sede de nada e nem espera mais nada de ninguém. É atormentado por um passado que, embora desconstruído na narrativa, sempre volta a feri-lo através das lembranças, e isto porque a memória não respeita nenhum tipo de convenção. Apesar de totalmente diferentes, eles estão ligados de alguma forma, de alguma forma eles são necessários um ao outro. O mais jovem está em processo de crescimento, mas ainda tem uma individualidade orgulhosa que o impede disso. O mais velho já passou por tudo isto, já viu este filme um milhão de vezes, e parece querer ajudar o garoto a crescer, mesmo que seja doloroso para ele este processo, como de fato será. “Homens, Santos e Desertores” fala sobre amizade, sobre ritos de passagem, honestidade, generosidade e convicções amargas. Ontem, enquanto assistia à peça, cheguei a ter e leve impressão de que ela era, na verdade, um monólogo! De que na verdade, o homem mais velho e ex-seminarista conversava consigo mesmo, diante de um espelho, e de um espelho onde via refletido o seu passado, personificado na figura do garoto. Talvez este reflexo fosse o que os ligasse de alguma forma. Talvez o garoto fosse, de fato, tudo o que velho ex-seminarista de cabelos brancos havia sido antes de se tornar amargo, cínico, indiferente. Antes de se tornar o Homem, o Santo e o Desertor, afinal de contas, explícitos no título da peça. Talvez não, talvez eu esteja ficando louco, afinal, Mário Bortolotto não é homem dado a estes psicologismos. É um moralista na verdade, e quando digo moralista digo no sentido de Rabelais, de Henry Miller, de Céline. No sentido de que, em todas as peças que li dele, e também nesta que assisti ontem, há sempre uma personagem com um discurso de salvação, em meio ao vazio e ao absurdo que Bortolotto descreve com a exatidão fria do observador. O problema é que estas personagens renitentes não conseguem comunicar seus discursos a não ser através de um comportamento desregrado e, no mais das vezes, violento e suicida. É como se elas se oferecessem em sacrifício por absoluta falta de compreensão. Quando leio ou assisto às peças de Bortolotto eu penso em Diógenes, eu penso em Sócrates, em Martinho Lutero, em Cristo, em Jack Kerouac. Em beatitude e sacrifício, enfim. Eu acho que você está ficando louco, um quarto leitor poderá dizer ao ouvir tamanhas sandices, ao que responderei: talvez, talvez, mas vê se não me enche o saco, e vá assistir à peça, para tirar suas próprias conclusões! E vá rápido, porque “Homens, Santos e Desertores” só fica em cartaz esse mês! Todas as quintas e sextas, às 21:30!

                                                                     (Tadeu Sarmento)




 Escrito por Cemitério de Automóveis às 14h47
[] [envie esta mensagem]


[ ver mensagens anteriores ]