Blog do Grupo de Teatro Cemitério de Automóveis
     
Histórico
28/06/2009 a 04/07/2009
14/09/2008 a 20/09/2008
03/08/2008 a 09/08/2008
27/07/2008 a 02/08/2008
20/07/2008 a 26/07/2008
13/07/2008 a 19/07/2008
06/07/2008 a 12/07/2008
22/06/2008 a 28/06/2008
25/05/2008 a 31/05/2008
09/12/2007 a 15/12/2007
11/11/2007 a 17/11/2007
04/11/2007 a 10/11/2007
29/04/2007 a 05/05/2007
22/04/2007 a 28/04/2007
15/04/2007 a 21/04/2007
08/04/2007 a 14/04/2007
01/04/2007 a 07/04/2007
25/03/2007 a 31/03/2007
18/03/2007 a 24/03/2007
11/03/2007 a 17/03/2007
04/03/2007 a 10/03/2007
18/02/2007 a 24/02/2007
11/02/2007 a 17/02/2007
21/01/2007 a 27/01/2007
10/12/2006 a 16/12/2006
03/12/2006 a 09/12/2006
26/11/2006 a 02/12/2006
19/11/2006 a 25/11/2006
12/11/2006 a 18/11/2006
05/11/2006 a 11/11/2006
29/10/2006 a 04/11/2006
22/10/2006 a 28/10/2006
15/10/2006 a 21/10/2006
08/10/2006 a 14/10/2006
10/09/2006 a 16/09/2006
06/08/2006 a 12/08/2006
02/07/2006 a 08/07/2006
25/06/2006 a 01/07/2006
18/06/2006 a 24/06/2006
11/06/2006 a 17/06/2006
04/06/2006 a 10/06/2006
28/05/2006 a 03/06/2006
21/05/2006 a 27/05/2006
14/05/2006 a 20/05/2006
07/05/2006 a 13/05/2006
30/04/2006 a 06/05/2006
23/04/2006 a 29/04/2006
16/04/2006 a 22/04/2006
09/04/2006 a 15/04/2006
02/04/2006 a 08/04/2006
26/03/2006 a 01/04/2006
19/03/2006 a 25/03/2006
12/03/2006 a 18/03/2006
05/03/2006 a 11/03/2006
19/02/2006 a 25/02/2006
12/02/2006 a 18/02/2006
29/01/2006 a 04/02/2006
25/12/2005 a 31/12/2005
18/12/2005 a 24/12/2005
11/12/2005 a 17/12/2005
04/12/2005 a 10/12/2005
06/11/2005 a 12/11/2005
30/10/2005 a 05/11/2005
23/10/2005 a 29/10/2005
25/09/2005 a 01/10/2005
18/09/2005 a 24/09/2005
11/09/2005 a 17/09/2005
04/09/2005 a 10/09/2005
28/08/2005 a 03/09/2005
21/08/2005 a 27/08/2005
07/08/2005 a 13/08/2005
31/07/2005 a 06/08/2005
24/07/2005 a 30/07/2005
17/07/2005 a 23/07/2005
10/07/2005 a 16/07/2005
03/07/2005 a 09/07/2005
26/06/2005 a 02/07/2005
19/06/2005 a 25/06/2005
12/06/2005 a 18/06/2005
29/05/2005 a 04/06/2005
22/05/2005 a 28/05/2005
15/05/2005 a 21/05/2005
08/05/2005 a 14/05/2005
01/05/2005 a 07/05/2005
24/04/2005 a 30/04/2005
17/04/2005 a 23/04/2005
10/04/2005 a 16/04/2005
03/04/2005 a 09/04/2005
27/03/2005 a 02/04/2005
20/03/2005 a 26/03/2005
13/03/2005 a 19/03/2005
06/03/2005 a 12/03/2005
27/02/2005 a 05/03/2005
20/02/2005 a 26/02/2005
13/02/2005 a 19/02/2005
06/02/2005 a 12/02/2005
30/01/2005 a 05/02/2005
23/01/2005 a 29/01/2005
16/01/2005 a 22/01/2005
09/01/2005 a 15/01/2005
02/01/2005 a 08/01/2005
26/12/2004 a 01/01/2005
19/12/2004 a 25/12/2004
12/12/2004 a 18/12/2004
05/12/2004 a 11/12/2004
28/11/2004 a 04/12/2004
21/11/2004 a 27/11/2004
14/11/2004 a 20/11/2004
07/11/2004 a 13/11/2004
31/10/2004 a 06/11/2004
24/10/2004 a 30/10/2004
17/10/2004 a 23/10/2004
10/10/2004 a 16/10/2004
26/09/2004 a 02/10/2004
12/09/2004 a 18/09/2004
05/09/2004 a 11/09/2004
29/08/2004 a 04/09/2004
01/08/2004 a 07/08/2004
25/07/2004 a 31/07/2004
27/06/2004 a 03/07/2004
13/06/2004 a 19/06/2004
06/06/2004 a 12/06/2004
30/05/2004 a 05/06/2004
23/05/2004 a 29/05/2004
16/05/2004 a 22/05/2004
09/05/2004 a 15/05/2004
02/05/2004 a 08/05/2004
25/04/2004 a 01/05/2004
11/04/2004 a 17/04/2004
04/04/2004 a 10/04/2004
28/03/2004 a 03/04/2004
21/03/2004 a 27/03/2004
14/03/2004 a 20/03/2004
07/03/2004 a 13/03/2004
Outros sites
Cemitério em Cenas
Mário Bortolotto
Fernanda D´Umbra
Marcelo Montenegro
Bactéria
Marcello Amalfi
Paulinho Pankada
Marisa Lobo Viana
Teatro dos Satyros
Parlapatões
G7
Grupo Folias
Armazem
Sutil Companhia de Teatro
Mauro Mello
Sebastião Millaré
Sam Shepard
Eric Bogosian
David Mamet
Jim Jarmusch


O que é isto?
 


NA FOLHA DE SÃO PAULO DE HOJE

CRÍTICA/ "HOMENS SANTOS E DESERTORES"

Bortolotto confirma maturidade

SERGIO SALVIA COELHO
CRÍTICO DA FOLHA

Ele tem três peças em cartaz na cidade e defende todas com unhas e dentes. E não é porque se consagrou em longa militância no teatro alternativo que adere a qualquer inovação. No seu blog não perde tempo com diplomacia: desdenha dos "dramaturgos participativos" que compartilham a autoria com os atores e não vai ver peça que puxa o público para o palco. Odeia ser chamado de "despretensioso", por desconfiar que seu despojamento é confundido com um estilo "deixa-que-eu-chuto" que o condenaria a uma eterna adolescência.
Não é o caso. Sem perder o cinismo irreverente e mau humorado, Mário Bortolotto amadurece. Basta comparar este seu último texto, "Homens, Santos e Desertores" com os outros dois em cartaz. Tanto em "O Cara que Dançou Comigo", peça dos primeiros tempos em que rodava os festivais amadores, quanto em "Brutal", encomenda para uma formatura de escola de teatro, vibra um revigorante universo de HQs, algo entre a caricatura e a tragédia grega, como em "Sin City".
Aqui, no entanto, os personagens são redondos, verossímeis, evoluem deixando entrever pouco a pouco suas fragilidades. Em tom quase confessional, um ex-seminarista recebe as visitas algo forçadas de um adolescente em busca de certezas: seu pai sumiu, sua mãe o envergonha com sua promiscuidade. É fácil reconhecer os traços do autor, e não só porque é ele mesmo quem o representa, com uma sutileza e contenção notáveis. Na disposição em ouvir o jovem, se reconhecendo nos medos, chamando-o para a vida sem paternizar, Bortolotto se entrega de bandeja.
Por outro lado, ele também é o jovem cheio de dúvidas. Gabriel Pinheiro, que em "O que Restou do Sagrado" se entregava sem pudor à caricatura, revela-se um ator realista com imensas possibilidades, intenso e centrado.
Com a direção firme de Fernanda D'Umbra, que não só compartilha intensamente o universo do autor como traz para ele um olhar feminino ao mesmo tempo terno e distanciador, o espetáculo ganha a densidade de um ritual de passagem, capaz de perturbar profundamente a platéia. Como D'Umbra faz também a iluminação, tirando belos efeitos de magros recursos, e a trilha é feita por Bortolotto, com um estilo fácil de imitar, mas de eficácia difícil de atingir, a impressão de intimidade compartilhada é irresistível.
Ao inaugurar o segundo espaço dos Satyros na praça Roosevelt, e arcar com a responsabilidade que já foi de Plínio Marcos, a de porta-voz dos excluídos, nem por isso se limita Bortolotto ao que o rótulo de "alternativo" pode ter de precário. É um autor para se pôr ao lado de Eugene O'Neill, ou de Naum Alves de Souza, com quem divide a inquietação em relação a Deus. E assim como D'Umbra brilha no "teatrão" ao lado, o público do Cultura Artística pode se arriscar sem medo: a vocação da praça é romper fronteiras.


Homens, Santos e Desertores
    
Texto:
Mário Bortolotto
Direção: Fernanda D'Umbra
Com: Mário Bortolotto e Gabriel Pinheiro
Onde: Espaço dos Satyros 2 (pça. Franklin Roosevelt, 184, Consolação, SP, tel. 0/xx/11/ 3255-2829)
Quando: sáb. (21h30) e dom. (20h30); até outubro
Quanto: R$ 15






 Escrito por Cemitério de Automóveis às 18h31
[] [envie esta mensagem]




HOMENS, SANTOS E DESERTORES

Sábado : 21h30

Domingo : 20h30

Teatro Satyros 2 - Praça Roosevelt, 124 - Tel : 3258-6345



 Escrito por Cemitério de Automóveis às 17h32
[] [envie esta mensagem]




LEITURA DO MÉTODO

Hoje dentro do Ciclo "Caos e Casos Urbanos" acontece a leitura de um texto inédito de minha bebum pessoa. Trata-se de "O Método" que escrevi em 1.987 e que permanece incrivelmente inédito até hoje (caso raro em minha dramaturgia). A Fernanda é quem vai dirigir a leitura com o mesmo elenco que deve estrear a peça no começo de Outubro no "Satyros 2". O elenco conta com Nilton Bicudo, Gabriel Pinheiro, Gustavo Haddad e Marcos Feitosa. Dois atores prestam exame para entrar numa escola de Arte Dramática. O problema é que eles levam os egos juntos. E ator com excesso de ego é foda. É mais ou menos por aí que caminha a peça. Quem quiser assistir, a entrada é gratuíta e acontece hoje na Usina Paulistana de Artes (Rua São Domingos, 273 - Bela Vista - Tel : 3106-3236). No final, converso com o público sobre a peça.



 Escrito por Cemitério de Automóveis às 10h43
[] [envie esta mensagem]


[ ver mensagens anteriores ]