Blog do Grupo de Teatro Cemitério de Automóveis
     
Histórico
28/06/2009 a 04/07/2009
14/09/2008 a 20/09/2008
03/08/2008 a 09/08/2008
27/07/2008 a 02/08/2008
20/07/2008 a 26/07/2008
13/07/2008 a 19/07/2008
06/07/2008 a 12/07/2008
22/06/2008 a 28/06/2008
25/05/2008 a 31/05/2008
09/12/2007 a 15/12/2007
11/11/2007 a 17/11/2007
04/11/2007 a 10/11/2007
29/04/2007 a 05/05/2007
22/04/2007 a 28/04/2007
15/04/2007 a 21/04/2007
08/04/2007 a 14/04/2007
01/04/2007 a 07/04/2007
25/03/2007 a 31/03/2007
18/03/2007 a 24/03/2007
11/03/2007 a 17/03/2007
04/03/2007 a 10/03/2007
18/02/2007 a 24/02/2007
11/02/2007 a 17/02/2007
21/01/2007 a 27/01/2007
10/12/2006 a 16/12/2006
03/12/2006 a 09/12/2006
26/11/2006 a 02/12/2006
19/11/2006 a 25/11/2006
12/11/2006 a 18/11/2006
05/11/2006 a 11/11/2006
29/10/2006 a 04/11/2006
22/10/2006 a 28/10/2006
15/10/2006 a 21/10/2006
08/10/2006 a 14/10/2006
10/09/2006 a 16/09/2006
06/08/2006 a 12/08/2006
02/07/2006 a 08/07/2006
25/06/2006 a 01/07/2006
18/06/2006 a 24/06/2006
11/06/2006 a 17/06/2006
04/06/2006 a 10/06/2006
28/05/2006 a 03/06/2006
21/05/2006 a 27/05/2006
14/05/2006 a 20/05/2006
07/05/2006 a 13/05/2006
30/04/2006 a 06/05/2006
23/04/2006 a 29/04/2006
16/04/2006 a 22/04/2006
09/04/2006 a 15/04/2006
02/04/2006 a 08/04/2006
26/03/2006 a 01/04/2006
19/03/2006 a 25/03/2006
12/03/2006 a 18/03/2006
05/03/2006 a 11/03/2006
19/02/2006 a 25/02/2006
12/02/2006 a 18/02/2006
29/01/2006 a 04/02/2006
25/12/2005 a 31/12/2005
18/12/2005 a 24/12/2005
11/12/2005 a 17/12/2005
04/12/2005 a 10/12/2005
06/11/2005 a 12/11/2005
30/10/2005 a 05/11/2005
23/10/2005 a 29/10/2005
25/09/2005 a 01/10/2005
18/09/2005 a 24/09/2005
11/09/2005 a 17/09/2005
04/09/2005 a 10/09/2005
28/08/2005 a 03/09/2005
21/08/2005 a 27/08/2005
07/08/2005 a 13/08/2005
31/07/2005 a 06/08/2005
24/07/2005 a 30/07/2005
17/07/2005 a 23/07/2005
10/07/2005 a 16/07/2005
03/07/2005 a 09/07/2005
26/06/2005 a 02/07/2005
19/06/2005 a 25/06/2005
12/06/2005 a 18/06/2005
29/05/2005 a 04/06/2005
22/05/2005 a 28/05/2005
15/05/2005 a 21/05/2005
08/05/2005 a 14/05/2005
01/05/2005 a 07/05/2005
24/04/2005 a 30/04/2005
17/04/2005 a 23/04/2005
10/04/2005 a 16/04/2005
03/04/2005 a 09/04/2005
27/03/2005 a 02/04/2005
20/03/2005 a 26/03/2005
13/03/2005 a 19/03/2005
06/03/2005 a 12/03/2005
27/02/2005 a 05/03/2005
20/02/2005 a 26/02/2005
13/02/2005 a 19/02/2005
06/02/2005 a 12/02/2005
30/01/2005 a 05/02/2005
23/01/2005 a 29/01/2005
16/01/2005 a 22/01/2005
09/01/2005 a 15/01/2005
02/01/2005 a 08/01/2005
26/12/2004 a 01/01/2005
19/12/2004 a 25/12/2004
12/12/2004 a 18/12/2004
05/12/2004 a 11/12/2004
28/11/2004 a 04/12/2004
21/11/2004 a 27/11/2004
14/11/2004 a 20/11/2004
07/11/2004 a 13/11/2004
31/10/2004 a 06/11/2004
24/10/2004 a 30/10/2004
17/10/2004 a 23/10/2004
10/10/2004 a 16/10/2004
26/09/2004 a 02/10/2004
12/09/2004 a 18/09/2004
05/09/2004 a 11/09/2004
29/08/2004 a 04/09/2004
01/08/2004 a 07/08/2004
25/07/2004 a 31/07/2004
27/06/2004 a 03/07/2004
13/06/2004 a 19/06/2004
06/06/2004 a 12/06/2004
30/05/2004 a 05/06/2004
23/05/2004 a 29/05/2004
16/05/2004 a 22/05/2004
09/05/2004 a 15/05/2004
02/05/2004 a 08/05/2004
25/04/2004 a 01/05/2004
11/04/2004 a 17/04/2004
04/04/2004 a 10/04/2004
28/03/2004 a 03/04/2004
21/03/2004 a 27/03/2004
14/03/2004 a 20/03/2004
07/03/2004 a 13/03/2004
Outros sites
Cemitério em Cenas
Mário Bortolotto
Fernanda D´Umbra
Marcelo Montenegro
Bactéria
Marcello Amalfi
Paulinho Pankada
Marisa Lobo Viana
Teatro dos Satyros
Parlapatões
G7
Grupo Folias
Armazem
Sutil Companhia de Teatro
Mauro Mello
Sebastião Millaré
Sam Shepard
Eric Bogosian
David Mamet
Jim Jarmusch


O que é isto?
 


SAIU CRÍTICA NO ESTADÃO

 

Jotabê Medeiros (que assistiu o espetáculo na estréia) escreveu a primeira crítica do espetáculo “Chapa Quente”. Saiu hoje no Estadão. Du Caralho.

 

 

São Paulo lírica e perversa, mas sem melodrama

Chapa Quente, peça que leva ao palco o desenho em quadrinhos, traz humor para a vida da marginália

Crítica
JOTABÊ MEDEIROS

O moleque de classe média chapado que se acha esperto, mas é só otário. O otário crônico que, de tão estúpido, tornou-se invisível e passa incólume pelas balas perdidas de sua vizinhança. A mulher intensa que vive abaixo da superfície. A mulher vulgar que se julga intensa. A vagabundagem, os amigos toupeiras que só fazem fechar bares na madrugada, o nóia suburbano que surta e sai matando todo mundo pela frente (até a mãe), o bacana que vira isca de malandro quando se perde de carro na periferia.

O mundo da peça Chapa Quente é habitado pelos personagens criados pelo quadrinhista paulistano André Kitagawa. Poderiam ser personagens do americano Charles Bukowski, mas são demasiado paulistanóides para serem confundidos. O cenário não é o Fisherman's Wharf de São Francisco, nem a Times Square de Manhattan. É Santa Cecília, é o Largo da Concórdia, são os baixos do Minhocão, é uma SP reconhecível em cada quadrinho, em cada pichação - um amigo jura que viu a janela do seu apartamento no Brás, naqueles condomínios vizinhos à linha do metrô, retratada na peça.

Kitagawa não publicou nenhuma revista em quadrinhos até hoje: só tem trabalhos na internet. Foi apanhado na rede pelo dramaturgo e diretor Mario Bortolotto, que o tornou co-diretor da peça. Sua primeira HQ é justamente a reunião das histórias que dão substrato à peça Chapa Quente, lançada agora pela Atrito Art Editorial. Candidata-se desde já ao melhor lançamento nacional deste ano.

É nessa realimentação contínua entre quadrinhos e teatro que se ergue Chapa Quente. Curiosamente, nenhum dos dois se torna dependente do outro - os quadrinhos e o teatro se tocam, mas não se tornam híbridos. Os personagens não são mutações em carne e osso do comic book. Cria-se ali uma interseção que parece inédita no nosso recente teatro em quadrinhos.

Ambos, quadrinhos e teatro, ganham com o negócio fechado ali no escuro do teatrinho da Capote Valente. O teatro fica mais vivo, dinâmico, sanguíneo, ligado à sua realidade. Os quadrinhos ficam coreografados, balanceados. Os atores não são Roger Rabbits habitando uma terra sem chão. Nada disso. Beneficiam-se dos personagens, mas não se escoram na sua unidimensionalidade. Há lirismo, inocência, perversão, violência. Mas, principalmente, há humor. Chapa Quente é muito divertida. Nada vira melodrama, apesar do relato realista das vidas de uma marginália nos escombros da grande cidade, ao som de Tom Waits.

Um garoto de 15 anos comenta o espetáculo, ao final. "É um tipo de teatro único, nunca vi nada parecido". Ele compara com as peças que vê na escola. É verdade: os espetáculos de Mário Bortolotto são únicos porque eles os torna únicos, ele os torna seus. Embora sejam tão nossos também.

(SERVIÇO)Chapa Quente. Viga Esp. Cênico (64 lug.). R. Cap. Valente, 1323, 3801-1843. 6.ª e sáb., 21h30; dom., 20h30. R$ 20. Até 2/7

Ah, e prossegue no Satyros 1 a Mostra "Cemitério à Meia-Noite". Hoje às 24h tem apresentação da peça "Homens, Santos e Desertores".



 Escrito por Cemitério de Automóveis às 12h38
[] [envie esta mensagem]




CHAPA QUENTE – ESTREOU

E finalmente estreou o espetáculo "Chapa Quente", adaptado dos quadrinhos do Brother André Kitagawa. A acolhida foi muito maneira com uma estréia lotada de amigos. Infelizmente muitos não puderam entrar. Espero que voltem nos próximos dias da temporada. Alguns amigos já escreveram em seus blogs. Se quiserem conferir:

Pierre Porpeta : http://jukebox-songs-stories.zip.net/index.html

Nick Cassady : http://osomeafuria.zip.net/

Gabriel Bá : http://10paezinhos.blog.uol.com.br/

E quem assistiu nesse último final de semana, sacou que antes do ínicio do espetáculo, nós exibimos no telão um pequeno vídeo sobre a preparação da peça com depoimentos dos atores e do próprio Kitagawa. A idéia é que a partir dessa semana a gente passe a fazer uma espécie de pequeno festival de curtas e vídeos. Isto é, antes do espetáculo, estaremos sempre exibindo um pequeno vídeo ou curta realizado por amigos e que tenha a ver com o universo da brodagem. A programação desse final de semana já está fechada:

Dia 12 - Vídeo Clip "Enjaulado Blues" - Direção : Mário Bortolotto / Edição : Marcelo Montenegro

Dia 13 - "Diário das Crianças no Porão" (Sobre a Mostra Cemitério de Automóveis de 2.002) Uma produção da Bedrock Vídeo

Dia 14 - Making off da Mostra 2005 - Direção : Douglas Kim / Edição : Douglas Kim e Edson Kumasaka

___________________________________

Nesta Sexta-Feira também estaremos apresentando no Itaú Cultural dentro do Projeto "Autores em Cena" o espetáculo "O que tá escrito na fita não é o que tá gravado", com texto de Marcelo Montenegro e direção de Mário Bortolotto. Em cena estarão Marcelo Montenegro e os coadjuvantes André Cecato, Mário Bortolotto, Mariana Leme e Walter "Batata" Figueiredo. Na projeção de imagens, o presidente Robson Timóteo e na operação técnica, Douglas Kim. Começa às 19h30 e é grátis. 

___________________________________

Na sexta a gente também estréia dentro da Mostra "Cemitério à Meia-Noite" o espetáculo "Homens, Santos e Desertores". No Satyros 1.

Por enquanto, é só isso. Tá bom, né?

 



 Escrito por Cemitério de Automóveis às 11h28
[] [envie esta mensagem]


[ ver mensagens anteriores ]